Condições de trabalho e saúde de uma associação de catadores de materiais recicláveis de Ceilândia/Distrito Federal
PDF

Cómo citar

Ribeiro Vasconcelos, J. P., Ferreira Guimarães, S. M., & Zaneti, I. C. B. B. (2020). Condições de trabalho e saúde de uma associação de catadores de materiais recicláveis de Ceilândia/Distrito Federal. Jangwa Pana, 19(3). https://doi.org/10.21676/16574923.3516

Resumen

Os catadores de materiais recicláveis estão inseridos em um contexto de vulnerabilidade. Diante disso, o objetivo principal deste estudo foi compreender as condições de trabalho e a situação de saúde dos catadores que trabalham em uma associação localizada na cidade de Ceilândia no Distrito Federal. Trata-se de um estudo qualitativo, que utilizou a abordagem etnográfica. As técnicas aplicadas densamente foram as entrevistas semiestruturadas e conversas informais, além da observação participante do local de trabalho. Os resultados encontrados apontam que os catadores vivenciam contextos sociais complexos quanto a sua condição de trabalho, o que acarreta danos a sua saúde física e psicológica. A realidade do cotidiano mostra que o trabalho poderia ser desenvolvido com mais dignidade, se caso o poder público tivesse atenção direcionada para atender as necessidades deles. Ademais, estão totalmente desamparados, resistindo aos contextos de pobreza, as situações cotidianas de desigualdade de gênero, aos estereótipos da ocupação e ao desemprego. Os contextos de vida, trabalho e saúde dos catadores apresentam particularidades específicas inerentes ao ser catador na sociedade capitalista. Por essa razão, a sobrevivência em meio as doenças e aos agravos à saúde produzidos naturalmente pelo cotidiano da ocupação, somadas a isso as condições de trabalho totalmente precárias, fazem do ser catador trabalhadores resistentes as desigualdades, principalmente a mulher catadora.

Palabras clave

Catadores de materiais recicláveis; Condição de social; Saúde ambiental
https://doi.org/10.21676/16574923.3516
PDF

Referencias bibliográficas

Alencar, M. C. B., Cardoso, C. C. O., & Antunes, M. C. (2009) Condições de trabalho e sintomas relacionados à saúde de catadores de materiais recicláveis em Curitiba. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, 20 (1), 36-42.
Alexandrino, D. F. L., Ferreira, M. E. C., Lima, C. L., & Makkai, L. F. C. (2009) Proposal of social inclusion and improvement of the quality of life and health of collectors of recyclable materials of Viçosa – MG Through the physical activity. Fit Perf J, 8 (2), 115-22.
Almeida, J. R., Elias, E. T., Magalhães, M. A., & Vieira, A. J. D. (2009) Efeito da idade sobre a qualidade de vida e saúde dos catadores de materiais recicláveis de uma associação em Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 14 (6), 2169-80.
Alves, A. K. S., Oliveira, A. M. (2013) Estado, capitalismo e questão ambiental: interfaces no trabalho dos catadores de materiais recicláveis. Recuperado em 04 novembro, 2019, de https://semanaecopol.files.wordpress.com/2013/10/gt-6-ana-karina-da-silva-alves-estado-capitalismo-e-questc3a3o-ambiental.pdf
Carneiro, E. M., Araújo, L. B. C., Silva, P. R. C. (2015) Capitalismo, trabalho e Estado: a condição dos trabalhadores catadores de materiais recicláveis no contexto de estado neoliberal. Recuperado em 04 novembro, 2019, de http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo2/capitalismo-trabalho-e-estado-a-condicao-dos-trabalhadores-catadores-de-materiais-reciclaveis-no-contexto-de-estado-neoliberal.pdf
Companhia de Planejamento do Distrito Federal (2015) Pesquisa Distrital Por Amostra de Domicílios – Ceilândia – PDAD. Recuperado em 01 novembro, 2019, de http://www.codeplan.df.gov.br/images/CODEPLAN/ PDF/Pesquisas% 20Socio econ%C3%B4micas/PDAD/2011/PDAD%20Ceil%C3%A2ndia-2010-2011.pdf
Crenshaw, K. (2004) A Intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: V. A. Cruzamento: raça e gênero. Brasília : Unifem. Recuperado em 05 novembro, 2019, de
http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/09/Kimberle-Crenshaw.pdf.
Creswell, J. W. (2010) Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.
Dall’Agnol, C. M., & Fernandes, F. S. (2007) Saúde e autocuidado entre catadores de lixo: vivências no trabalho em uma cooperativa de lixo reciclável. Rev Latino-am Enfermagem, 15 (número especial). Recuperado em 31 outubro, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15nspe/pt_02.pdf
Davis, A. (2016) Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.
Deslandes, S. F. (2012) O projeto de pesquisa como exercício científico e artesanato intelectual. In: Minayo, M. C. S., & Gomes, S. (2012) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes.
Fontes, V. (2010) O Brasil e o capital imperialismo – teoria e história. Rio de Janeiro: Fiocruz – EPSJV e UFRJ.
Freitas, L. F. S., Fonseca, I. F. (2012) Diagnóstico sobre catadores de resíduos sólidos. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Recuperado em 04 novembro, 2019, de
http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/120911_relatorio_catadores_residuos.pdf
Froes, P. (2016) A 15 km do Planalto, a vida no maior lixão ativo da América Latina. Recuperado em 01 julho, 2019, de http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160310_galeria_lixao_estrutural_pf
Goes, E., Santos, E. M. (2014) Racismo, gênero e saúde no Brasil. 18º REDOR, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife-PE. Recuperado em 07 novembro, 2019. De http://www.ufpb.br/evento/index.php/18redor/18redor/paper/viewFile/1944/791.
Gonçalves, C. V., Malafaia, G., Castro, A. L. S., & Veiga, B. G. A. (2012) A vida no lixo: um estudo de caso sobre os catadores de materiais recicláveis no município de Ipameri, GO. HOLOS, 29 (2), 238-250.
Goto, A. K., Souza, M. T. S., Júnior, J. V. L. (2009) Um estudo sobre o estresse em profissionais da área de logística da indústria automobilística. Psicologia política, 9 (18), 291-311.
Hirata, H. (2009). A precarização e a Divisão Internacional e Sexual do Trabalho. Sociologias. 11 (21), 24-41.
Hooks, B. (1995) Intelectuais negras. Revista Estudo Feministas. 3 (1), 464-478.
Junior, A. B. C., Ramos, N. F., Alves, C. M., Forcellini, F. A., & Graciolli, O. D. (2013) Catadores de materiais recicláveis: análise das condições de trabalho e infraestrutura operacional no Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18 (11), 3115-3124.
Kleinman, A., Veena, D. A. S., Lock, M. (1996) Social suffering. Daedalus: Journal of the American Academy of Arts and Sciences, Winter, 125 (1).
Leandro, M. E. (2011) Teias da saúde: desigualdades de saúde, saúde das desigualdades. In: BRASIL. Saúde e direitos humanos. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz, Grupo Direitos Humanos e Saúde Helena Besserman, 7 (7), 18 – 33.
Lei n. 12.305 (2010) Dispõe sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília. Recuperado em 31 outubro 2019, de Mandel, E. (1982) O Capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural.
Marcondes, M. M., Pinheiro, L., Queiroz, C., Querino, A., C., & Valverde, D. (2013) Dôssie mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, p. 1-168, Recuperado em 07 novembro, 2019, de http://ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_dossie_mulheres_negras.pdf.
Marx, K., Engels, F. (1968) Manifesto comunista (3ª reimpressão). São Paulo: Boitempo.
Melo, H. P., Considera, C. M., Di Sabbato, A. (2007) Os afazeres domésticos contam. Economia e sociedade. 16 (3), 435-454.
Minayo, M. C. S. (2010) O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (14ª ed.). São Paulo: HUCITEC.
Minayo, M. C. S., & Gomes, S. (2012) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Ed. Vozes.
Ministério do Trabalho e Emprego. (2013) CBO: Classificação Brasileira de Ocupações. 2013. Recuperado em 01 novembro, 2019, de http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/downloads.jsf
Oliveira, C. R. (1996) O trabalho antropológico: olhar, ouvir e escrever. Rev Antropologia, 39 (1), 13-37.
Porto, M. F. S., Juncá, D. C. M., Gonçalves, R. S., & Filhote, M. I. F. (2004) Lixo, trabalho e saúde: um estudo de caso com catadores em um aterro metropolitano no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, 20 (6) 1503-1514.
Ribeiro, I. M., Nardi, H. C., & Machado, P. S. (2012) Catadoras(es) de materiais recicláveis e as possíveis articulações entre trabalho precário e relações de gênero. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. 15 (2), 243-254.
Santos, G. O., & Silva, L. F. F. (2009) Há dignidade no trabalho com o lixo? Considerações sobre o olhar do trabalhador. Revista Mal-estar e Subjetividade, 9 (2), 689-716.
Santos, S. M. R., Jesus, M. C. P., Mattos, L. R., Alves, M. J. M., Vicente, E. J. D., & Jesus, P. B. R. (2012) Espiritualidade na avaliação da qualidade de vida dos catadores de materiais recicláveis: estudo transversal. On-line Brazilian Journal of Nursing, 11 (1). Recuperado em 04 novembro, 2019, de http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/viewFile/3661/pdf_2
Siqueira, M. M., & Moraes, M. S. (2009) Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência & Saúde Coletiva, 14 (6), 2115-2122.
Vasconcelos, J. P. R., Guimarães, S. M. F., & Zaneti, I. C. B. B. (2018) Condições de vida de catadores de resíduos sólidos recicláveis: revisão integrativa da literatura. Sustentabilidade em Debate, 9 (1), 187-197.
Zaneti, I. C. B. B. (2006) As sobras da modernidade: o sistema de gestão de resíduos em Porto Alegre. Rio Grande do Sul: CORAG.
Zaneti, I. C. B. B., Sá, L. M., Almeida, V. G. (2009) Insustentabilidade e produção de resíduos: a face oculta do sistema do capital. Sociedade e Estado. 24 (1), 173-192.

Descargas

Datos de la descarga no disponibles